Qual o legado de Jesus?


Português chegou ao Flamengo em junho de 2019 com certa desconfiança e deixa equipe com status de maior técnico da história do clube


Jorge Jesus com Flamengo em Doha, no Qatar, para a disputa do Mundial de Clubes de 2019. Foto: Alexandre Vidal/CRF

A expectativa era por um bom trabalho, mas ninguém esperava tamanho êxito. Jorge Jesus comandou o Flamengo em 57 jogos, venceu 43, empatou dez e foi derrotado em quatro oportunidades. Durante um ano e um mês em que esteve à frente do rubro-negro, o time conquistou Libertadores, Brasileiro, Supercopa do Brasil, Recopa Sul-americana, Taça Guanabara e mais recente, Campeonato Carioca.

O Flamengo foi dominante no cenário nacional. Saindo da fila na América do Sul após 38 anos, chamou a atenção pelo seu belo futebol, teve um ataque avassalador e junto com a torcida no Maracanã, criou uma simbiose e não soube o que era derrota sob seu mando de campo.

O português revolucionou o futebol por aqui. Mas, afinal, qual o legado de Jesus?

Marcação Alta

O Flamengo colocou muita intensidade em seus jogos. Um dos exemplos foi no início dos treinamentos feitos por Jesus e sua comissão, atividades que geravam um esforço não antes praticado com cargas que não eram de costume dos atletas. O zagueiro Rodrigo Caio, foi um dos que saiu de campo lesionado em algumas partidas, devido à alta participação cobrada. O Mister, como gosta de ser chamado, gostava de treinos fortes, como se fosse um jogo de verdade.


Português distribuindo coletes em mais um dia de treinamentos no Ninho do Urubu. Foto: Alexandre Vidal/CRF

A chamada marcação alta, imposta pelo Flamengo, pode ser entendida e detalhada melhor neste vídeo.




Triangulações de Ataque

Outra prática feita pelo Flamengo, foi aproximar as linhas e aumentar as opções de triangulações no ataque.



Bolas Paradas e transição

Estrategista, Jesus sempre tinha uma carta na manga quando o assunto era bola parada. Quase sempre acontecia uma jogada ensaiada.


O sucesso do Flamengo em 2019 foi inquestionável. Qualquer técnico que vier, por tudo o que representou e despertou Jesus entre os rubro-negros ou entre os rivais, será difícil ou impossível alcançar algo igual.

0 comentário