• Bruno Lobão

Pré-jogo: Internacional x Boca Juniors


Foto: Agência/EFE

Em busca do tricampeonato, o Internacional não terá vida fácil em sua caminhada na Libertadores. O adversário será ninguém menos que o Boca Juniors, segundo maior campeão do torneio. As partidas serão realizadas nas próximas duas quartas-feiras (25/11 e 02/12), em Porto Alegre e Buenos Aires respectivamente.


Os 'Bosteros' caíram no Grupo H junto com Libertad, Caracas e Independiente Medellín, e terminaram invictos com quatro vitórias e dois empates. Por ter vencido a chave, o Boca terá a vantagem de decidir a vaga na temida La Bombonera, onde costuma ter bom desempenho contra brasileiros.


Já o Inter, caiu no Grupo E com Grêmio, América de Cali e Universidad Católica, e conseguiu a classificação apenas na última rodada. Foram duas vitórias, dois empates e duas derrotas, ficando na segunda colocação com 8 pontos. Agora, terá seu maior desafio no ano: bater uma das equipes mais "copeiras" do continente.


FICHA TÉCNICA

Jogo de ida: Internacional x Boca Juniors Data: quarta-feira, 25 de novembro Local: Beira-Rio Horário: 21h30 Transmissão: Conmebol TV Jogo de volta: Boca Juniors x Internacional Data: quarta-feira, 02 de dezembro Local: La Bombonera Horário: 21h30 Transmissão: Conmebol TV


ESTATÍSTICAS DA TEMPORADA


Eliminado da Copa do Brasil, em queda no Brasileiro e com bastidores políticos agitados, o Inter definitivamente não vive um bom momento. Após a saída de Eduardo Coudet, rumo à Espanha, o Colorado fechou com o experiente Abel Braga, que ainda não conseguiu encontrar a melhor equipe inicial. Com o novo treinador foram apenas 4 jogos, uma vitória e três derrotas, sendo que a única vitória não foi suficiente para avançar na Copa do Brasil. Em 50 partidas que disputou no ano, venceu 25, empatou 13 e perdeu 12, um aproveitamento de 58,6%.

O Boca, vivendo grande fase em 2020, perdeu sua invencibilidade apenas em sua penúltima partida, quando saiu derrotado pelo Talleres, por 1 a 0. Somando todas as competições, a equipe de Miguel Ángel Russo fez apenas 11 jogos no ano, com 7 vitórias, 2 empates e duas derrotas, aproveitamento geral de 69,7%. Na Libertadores, marcou 10 gols e sofreu apenas um, consolidando como a melhor defesa da competição.

COMO JOGAM


Abel Braga chegou recentemente e mudou o esquema utilizado por Eduardo Coudet em grande parte da temporada, armando a equipe no 4-2-3-1, com um dois volantes, um armador, dois pontas e um atacante. Desfalcado, o Colorado deve ir a campo com Rodrigo Dourado como um primeiro homem de meio campo, Edenílson fazendo a saída de bola, Patrick e Marcos Guilherme mais abertos, e D'Alessandro como armador principal. A ideia de utilizar essa linha de três é justamente ter a posse e fazer jogadas rápidas de transição, além de manter uma equipe bem posicionada na fase defensiva.


Na frente, Thiago Galhardo, artilheiro da equipe, deve jogar como referência, mas saindo bastante da área para auxiliar na criação de jogadas. Com Abel, o Internacional ainda não conseguiu repetir suas boas atuações da "Era Coudet", e por isso o desenho tático e o posicionamento da equipe pode ser alterado em relação ao que estava sendo apresentado anteriormente.

Prováveis escalações de Internacional (esq.) x Boca Juniors (dir.) - Via: TacticalPad

Um dos grandes favoritos ao título, o Boca Juniors joga no tradicional 4-2-3-1, com dois volantes, três meias e um centroavante. É uma das equipes mais experientes da competição, contando com grandes jogadores como Carlos Tévez, Eduardo Sálvio e Ramón Ábila, além do último treinador campeão da Libertadores com os Bosteros: Miguel Ángel Russo. Geralmente utiliza uma dupla de volantes que protege o sistema defensivo e dá qualidade na saída de bola, com Capaldo e Fernández atuando juntos, fortalecendo as jogadas pela faixa central do campo.


Na linha de três, Eduardo Sávio é o escolhido pelo lado direito, enquanto Cardona abre pela esquerda e Tévez é o homem mais centralizado, distribuindo as jogadas com excelente visão de jogo e um passe refinado. Como referência, a equipe Xeneize utiliza Franco Soldano, que movimenta muito e dá mobilidade ao ataque. No entanto, para esse duelo em especial, Russo deve armar a equipe no 5-4-1, substituindo o atacante Soldano pelo zagueiro Zambrano e deixando Tévez isolado na frente.


DESTAQUES

Foto: Reprodução/Twitter

Recentemente convocado pela Seleção Brasileira, Thiago Galhardo certamente é o principal destaque do Internacional. Em 31 partidas no ano, o camisa 17 balançou as redes 16 vezes, além de ter contribuído com mais 6 assistências. É o artilheiro do Brasileirão, com 15 gols. Embora ainda não tenha marcado nessa Libertadores, é o homem que pode decidir o jogo a qualquer momento a favor do Colorado, já que vive uma fase iluminada.

Do lado argentino, o "cara" do time tem sido Carlitos Tévez. O camisa 10 e capitão do Boca Juniors vive grande fase na temporada, além de ser um dos jogadores mais experientes do plantel, com 36 anos de idade. É ídolo, tem uma história pesada e é extremamente talentoso com a bola nos pés, além de ser o vice-artilheiro da equipe na Libertadores.


ANÁLISE DO CONFRONTO


Vejo o Boca como favorito para esse duelo diante do Internacional. A troca recente de treinadores certamente foi um fator extremamente prejudicial para o ambiente Colorado, que já está com os bastidores políticos bem agitados, devido à eleição presidencial no fim do ano. Além disso, a escolha de Abel Braga, que está há um longo tempo sem realizar bons trabalhos, me parece ter sido equivocada para uma equipe que pensa grande como o Inter, se apegando totalmente à mística de um treinador campeão mundial 14 anos atrás. A queda de rendimento veio imediatamente: derrota para um desfalcado Santos, eliminado da Copa do Brasil pelo América-MG e um jogo pobre contra o Fluminense, no último domingo. Em contrapartida, seu rival Boca Juniors vive um ótimo momento no Campeonato Argentino, fez uma campanha muito sólida na fase de grupos da Libertadores e já possui um grupo fechado e entrosado, com um treinador de alto nível. A vantagem de poder decidir a vaga em casa também pode ser algo a se considerar, já que a equipe argentina raramente tropeça em seus domínios. No mais, creio que será um confronto duro, com cara de Libertadores, onde qualquer time poderá levar a melhor, mas um leve favoritismo para os Xeneizes nos 180 minutos.


HISTÓRICO DAS EQUIPES

Foto: Agência/EFE

Internacional e Boca Juniors já se enfrentaram em seis oportunidades, todas pela Copa Sul-Americana. Foram três vitórias do Inter, duas do Boca e apenas um empate. O último encontro ocorreu no ano de 2008, em Buenos Aires.

  • 24/11/2004 - Boca Juniors 4x2 Internacional

  • 01/12/2004 - Internacional 0x0 Boca Juniors

  • 19/10/2005 - Internacional 1x0 Boca Juniors

  • 10/11/2005 - Boca Juniors 4x1 Internacional

  • 22/10/2008 - Internacional 2x0 Boca Juniors

  • 06/11/2008 - Boca Juniors 1x2 Internacional


0 comentário