• Bruno Lobão

Do início arrasador ao drama do acesso: a saga do Cruzeiro na Série B 2020

Três vitórias em três jogos, punição da FIFA "paga" e expectativa de acesso com sobras. Assim foi o início de Série B para o Cruzeiro, que disputa a competição pela primeira vez em sua história. Mas, o time parou por aí. Sem vencer há cinco partidas - último triunfo no dia 16 de agosto - a Raposa tem hoje a pior campanha de um time grande na segunda divisão nacional desde o início dos pontos corridos, em 2006, somando apenas 5 pontos em 8 partidas. A sequência de resultados ruins culminou na entrada do clube mineiro na zona de rebaixamento (17º posição), e consequentemente, na demissão do técnico Enderson Moreira. Vivendo a maior crise esportiva e financeira da história, o Cruzeiro, muito pressionado por resultados, vai precisar se reinventar para chegar entre os quatro na tabela, já que hoje a diferença é de 10 pontos para o Cuiabá, primeiro time do grupo de acesso. 


TROCA NO COMANDO 


Na manhã da última terça-feira (8), o Cruzeiro oficializou a saída do técnico Enderson Moreira, que estava no comando desde maio. Com apenas 12 jogos dirigindo a Raposa, Enderson conseguiu 6 vitórias, 3 empates e teve apenas 3 derrotas, mas o futebol apresentado estava longe de ser bom. Para o seu lugar, a diretoria agiu rápido e acertou com Ney Franco, que recentemente esteve no Goiás. Aos 54 anos de idade, o treinador natural de Vargem Alegre-MG vai para sua segunda passagem no clube celeste, sendo a primeira na equipe profissional. Sua estréia está marcada para a próxima sexta-feira, contra o Vitória, no Mineirão.

CAMPANHA "QUASE" PERFEITA


Foto: Alessandra Torres/ AGIF

Se quiser passar o ano de seu centenário na elite do futebol brasileiro, o Cruzeiro terá que melhorar drasticamente seu desempenho na Série B. Ignorando os seis pontos perdidos pela punição da FIFA, a equipe mineira tem aproveitamento de apenas 45%, e para fazer uma pontuação que daria acesso em 2019, precisa subir essa média para 63%. Isso equivale à 19 vitórias em 30 jogos, ou 57 pontos em 90 a disputar. Se serve como "alento" para o torcedor cruzeirense, o único time que conseguiu o acesso depois de somar apenas 5 pontos nas 8 primeiras rodadas foi o Goiás, em 2018, dirigido justamente por Ney Franco. No entanto, naquela ocasião o esmeraldino subiu com 60 pontos ao final do campeonato, número que historicamente não garante a volta à primeira divisão. 


A efeito de comparação, o Cruzeiro tem de longe o pior começo entre os grandes que já disputaram a segunda divisão. Antes, as campanhas com menor aproveitamento pertenciam ao Internacional (2017), Vasco (2009 e 2014) e Atlético-MG (2006), que somavam 13 pontos nas oito partidas iniciais, mas sempre estiveram próximos ao G-4. Por mais que seja compreensível a dificuldade de montar um time competitivo, levando em conta o lado financeiro e o legado deixado pela antiga diretoria, é obrigação de um gigante do futebol brasileiro terminar a competição entre os quatro primeiros. E, no momento, a Raposa corre sérios riscos de amargar mais um ano na Segundona, justamente no ano em que completa 100 anos de história.

NOVA PUNIÇÃO E BUSCA POR REFORÇOS


Em maio deste ano, a FIFA anunciou a retirada de 6 pontos do Cruzeiro pelo não pagamento da dívida do volante Denílson, que pertencia ao Al Whada. Agora, no início do mês, o clube sofreu uma nova punição, referente à dívida do atacante Willian, que impede a regularização de novos jogadores no BID. No entanto, o presidente Sérgio Santos Rodrigues garantiu que o acordo feito com o clube ucraniano Zorya foi reconhecido no e-mail oficial da equipe europeia, e já trabalha para derrubar essa penalidade.

Em uma de suas últimas lives feitas nos canais oficiais do clube, Sérgio confirmou a busca por reforços, e já tem acerto com o atacante Iván Angulo, do Palmeiras. Além disso, o clube vai atrás da contratação de um lateral esquerdo, já que Patrick Brey deve ser vendido para o exterior e João Lucas e Giovanni não fazem mais parte dos planos da comissão técnica. O departamento jurídico já entrou com recurso pedindo para que a punição seja retirada, mas ainda não obteve êxito.


PRÓXIMOS JOGOS


Com a urgência de conquistar resultados positivos, o Cruzeiro inicia agora uma sequência de 7 jogos em 31 dias, tempo de sobra para trabalhar o grupo. Dessas sete, quatro partidas acontecerão no Mineirão, e o primeiro desafio de Ney Franco será melhorar a campanha dentro de casa. Até o momento, foram quatro jogos, uma vitória, um empate e duas derrotas jogando em Belo Horizonte, números muito aquém do esperado.

  • Cruzeiro x Vitória - 11/09 - Mineirão (21h30)

  • CSA x Cruzeiro - 19/09 - Rei Pelé (21h00)

  • Cruzeiro x Avaí - 25/09 - Mineirão (21h30)

  • Cruzeiro x Ponte Preta - 30/09 - Mineirão (18h30)

  • Cuiabá x Cruzeiro - 03/10 - Arena Pantanal (22h00)

  • Cruzeiro x Sampaio Corrêa - 08/10 - Mineirão (20h00)

  • Oeste x Cruzeiro - 11/10 - Arena Barueri (16h00)

Se vai conseguir subir ou não, só descobriremos ao final do campeonato. Mas o fato é que pelo elenco e diferença entre os investimentos, o Cruzeiro apresentou muito pouco até aqui, e a torcida tem razão em ficar na bronca. Agora, sob o comando de Ney Franco, começa a dura missão de recuperar o prejuízo e conquistar o acesso, importantíssimo para o futuro do clube.

Leia também: https://www.onagaveta.com.br/post/opinião-o-início-pune-sempre-puniu






0 comentário